Paróquia retoma gradualmente atividades pastorais

fotografiareligiosa_1561516075 (1)A Paróquia do Sagrado Coração de Jesus está retomando suas atividades pastorais de forma gradual e cautelosa. Para isso, está seguindo todas as recomendações da OMS – Organização Mundial da Saúde, como a obrigatoriedade do uso de máscaras e a disponibilização de álcool em gel, além da limitar a quantidade de pessoas dentro da Igreja.

As missas estão sendo celebradas de segunda a sábado, ás 19h30. No domingo as celebrações são ás 7h, 10h, 17h e 19h30.

Apenas necessita a retirada de senha para as missas realizadas aos finais de semana. Elas podem ser buscadas na secretaria paroquial a partir de terça-feira entre 9h e 11h.

Quem não puder comparecer às celebrações tem a opção de acompanhar as transmissões pelo Facebook e pela Rádio Anúncio.

As missas de segunda, quarta e sexta serão transmitidas apenas no Facebook e no sábado a transmissão será feita pelo Facebook e pela Rádio Anúncio FM. No domingo a transmissão também ocorre em ambos os canais, mas apenas as missas das 10h e das 19h30.

As confissões estão sendo feitas aos sábados, entre 9h e 11h.

Venham rezar conosco!

Coração de Jesus promove a Semana da Família

67640866_2333211423412318_1692504593964990464_oA Paróquia do Sagrado Coração de Jesus promove entre os dias 12 e 18 de agosto sua tradicional Semana da Família. Durante toda a Semana, padres convidados falarão sobre diversos temas, na igreja Matriz da Paróquia, nas missas das 19h30, exceto no domingo, que será às 19 horas.

Entre os convidados, o pároco Padre Donato Fidanza, destacou o Ir. Rodrigo, da Comunidade Deus Proverá, que encerra a Semana com o tema proposto pelo Papa Francisco, E a família, como vai?

O tema deste ano é uma retomada da reflexão que marcou a Campanha da Fraternidade de 1994. Ao voltar ao passado e ver o quanto a Pastoral Familiar já cresceu, percebe-se que a família busca e precisa aprofundar cada vez mais a sua missão na Igreja e na sociedade para conquistar um papel decisivo e central.

Esse desejo de estar no centro das ações eclesiais aparece neste Hora da Família, ligando-o à Iniciação à Vida Cristã, às Políticas Públicas, ao envolvimento com as questões contemporâneas da vida urbana e à missão em meio a outras famílias.

 

 

Vem aí a Quermesse do Sagrado Coração de Jesus

13241405_1038365769563563_4997374946138152871_nEstão a todo vapor os preparativos para a melhor quermesse de São João da Boa Vista, que será realizada no salão de festas da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, no jardim São Paulo. A festa começa no último fim de semana de maio (25 e 26/05) e segue em todos os finais de semana seguintes até o dia 16 de junho. Estão programados shows com Du Ambar (25/05), Liberali e Alexandro (26/05), Baiano e Baianinho (1 e 2/06 / 8 e 9/06) e Liberali e Alexandro (15 e 16/06).

Novena

A Novena ao Padroeiro Sagrado Coração de Jesus será  de 19 a 27 de junho, de segunda a sábado, às 19h30, e aos domingos às 19h.

A missa festiva está marcada para o dia 28 de junho, às 19h30.  No dia 29 tem procissão saindo da Igreja Maria Mãe da Igreja, às 18hs, e seguindo até a matriz onde haverá missa.

Vale lembrar que entre os dia 28 e 30 será vendido o Bolo do Sagrado Coração de Jesus.

O Sagrado Coração de Jesus espera por você!

Dia 23 (sábado) acontece a 2ª Noite de Comida de Boteco

52033832_2248841385168831_8731998662609076224_nForam vendidos todos os ingressos da 2ª Noite de Comida de Boteco, que será realizada à partir das 20 horas, no Salão de Festas da Igreja Matriz da paróquia do Sagrado Coração de Jesus. Quem anima a noite é o cantor Matheus Maia. Também terá Show de Prêmiosação pela qual vendemos pequenas rifas e os prêmios são sorteados entre os participantes! 

Dá uma conferida no cardápio!

Entrada
Batatinha no molho/ Pão francês e vinagrete
Porções
Torresmo/Frango à Passarinho/ Calabresa Acebolada/ Batata Frita/ Mandioca Frita

Sobremesas

Variadas

Paróquia prepara Tríduo e Festa em Louvor aos Anjos para o dia 26 de setembro

A Paróquia do Sagrado Coração de Jesus se prepara para realizar o Tríduo e Festa em Louvor aos Arcanjos. As celebrações serão realizadas entre os dias 25 e 28, sempre às 19h30, na Igreja Matriz.

Os arcanjos anunciam importantes missões aos homens

No dia 29 de setembro, a Igreja Católica celebra a festa de três santos arcanjos, cujos nomes nos foram revelados nas Sagradas Escrituras: Miguel, Gabriel e Rafael. Sabemos que, além desses arcanjos, há miríades e miríades de outros seres angélicos, que são divididos em três hierarquias. Os seres angélicos da primeira e mais elevada hierarquia, que estão continuamente em adoração, na presença de Deus, são os serafins, os querubins e os tronos. Os da segunda hierarquia são as dominações, as virtudes e potestades, que governam o mundo material e espiritual. Por fim, os da terceira hierarquia são os principados, os arcanjos e anjos, que executam as ordens de seus superiores da segunda hierarquia.Miguel-Rafael-Gabriel_joelespinozaBlogspotPe_280915

Os arcanjos servem a Deus, mas também aos homens. Eles anunciam importantes missões aos homens, como fez o Arcanjo São Gabriel a Virgem Maria (cf. Lc 1, 26-38), e guardam especialmente as pessoas que desempenham importantes funções para a glória de Deus, como o Papa, os bispos, sacerdotes e líderes leigos.

O que é um anjo?

As Sagradas Escrituras e a Tradição da Igreja deixam-nos entrever dois aspectos a respeito dos anjos. Por um lado, o anjo é uma criatura de Deus, que está sempre diante d’Ele, orientada, com todo o seu ser, para o Senhor. Os três nomes dos arcanjos que celebramos, na Liturgia, terminam com a palavra hebraica “El”, que significa “Deus”. Ele está inscrito não somente nos seus nomes, mas também e, principalmente, em sua própria natureza.

A sua verdadeira natureza é a existência em vista d’Ele e para Ele. O segundo aspecto que caracteriza os anjos está precisamente ligado ao primeiro: eles são mensageiros de Deus e O trazem aos homens, abrem o Céu, e, assim, abrem a Terra. Justamente, porque estão na presença do Senhor, eles podem também estar muito próximos de nós.

Como dizia Santo Agostinho, Deus é mais íntimo a cada um de nós do que nós mesmos. Nesse sentido, os anjos falam a nós do que constitui o nosso verdadeiro ser, do que, em nossa vida, com muita frequência, está escondido em nosso mundo interior. Eles nos chamam a nos reentrarmos em nós mesmos, tocando-nos da parte de Deus. Por isso, nós também deveríamos nos tornar anjos uns para os outros, anjos que nos afastam dos caminhos errados e nos orientam sempre de novo para Deus.

Somos chamados a nos tornar anjos, mensageiros de Deus, que ajudam as pessoas a encontrar a sua verdadeira natureza, a si mesmas, e a viver a sua vocação, o chamado de Deus. Toda essa realidade espiritual se torna ainda mais clara, se meditarmos sobre as missões dos três Arcanjos, cuja festa nós celebramos na Liturgia.

As duas funções de São Miguel Arcanjo Nas Sagradas Escrituras, encontramos a figura de São Miguel Arcanjo no Livro de Daniel, na Carta do Apóstolo São Judas Tadeu e no Apocalipse de São João. Nesses textos bíblicos, tornam-se evidentes duas funções deste Arcanjo. Primeiramente, Miguel defende a causa da unicidade de Deus contra a soberba do grande dragão, da primitiva serpente (cf. Ap 12, 9), como diz João. O Arcanjo defende-nos da constante tentativa de satanás fazer-nos crer que Deus deve desaparecer, para que possamos nos tornar grandes, e da ideia de que Ele é um obstáculo para a nossa liberdade, e que, por isso, devemos afastar-nos d’Ele. O dragão não se limita a acusar Deus.

O Apocalipse nos revela que ele é também “o acusador dos nossos irmãos, que os acusava de dia e de noite diante de Deus” (12,10). Mas quem põe Deus de lado não se enobrece. Ao contrário, priva-se da Sua dignidade. Dessa forma, tornamo-nos escravos da nossa própria natureza, corrompida pelo pecado original. Pois quem acusa Deus acusa também a si mesmo.

A fé em Deus defende-nos em todas as nossas fraquezas e limitações. Pela virtude da fé, o esplendor divino resplandece em cada um de nós, pois o que podemos dizer e pensar de mais elevado sobre a humanidade, a não ser que o próprio Deus se fez homem?

Segundo as Escrituras, outra função do Arcanjo Miguel é a de ser protetor do Povo de Deus (cf. Dn 10,21; 12,1). Sendo assim, nós que, segundo a Tradição, somos o novo povo de Deus, devemos pedir, constantemente, a proteção de São Miguel.

O Arcanjo São Gabriel e o anúncio de Deus Na Bíblia, encontramos o Arcanjo São Gabriel na preciosíssima narração do anúncio da encarnação do Filho de Deus a Virgem Maria, conforme nos transmitiu São Lucas (1,26-38). Gabriel é o mensageiro de Deus por excelência, que nos revelou o mistério da encarnação do Verbo de Deus. O Arcanjo bate à porta de Maria e, por meio dela, o próprio Deus pede a ela o seu “sim”, para o desígnio divino de se tornar a Mãe do Redentor, de dar a sua carne humana ao Verbo eterno de Deus, ao Filho de Deus. Repetidas vezes, o Senhor bate à porta do nosso coração. No livro do Apocalipse, Deus diz ao “anjo” da Igreja de Laodiceia e, através dele, aos homens de todos os tempos: “Eis que estou à porta e bato: se alguém ouvir a Minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele” (3,20).

O Senhor está à porta, à porta do mundo e à porta de cada um de nossos corações. Deus bate à porta de nosso coração, para que O deixemos entrar: “a encarnação de Deus, o seu fazer-se carne deve continuar até ao fim dos tempos. Todos devem estar reunidos em Cristo num só corpo: dizem-nos isto os grandes hinos sobre Cristo na Carta aos Efésios e na Carta aos Colossenses. Cristo bate” 1 . Também hoje, Deus tem necessidade de pessoas que coloquem à disposição a própria carne, que Lhe doem seus bens materiais e espirituais, servindo assim para a unificação entre Ele e a humanidade, para a reconciliação universal.

Ao entrarmos em comunhão com Cristo, podemos também assumir a função de Gabriel: levar o chamado de Cristo aos homens. Assim, à semelhança de São Miguel, compete a nós bater à porta do coração dos homens, em nome de Deus, e anunciar-lhes a Boa Nova da Salvação, realizada em Cristo.

São Rafael, a cura e a reconciliação O Arcanjo São Rafael nos é apresentado no Livro de Tobias como o Anjo ao qual é confiada a tarefa de curar. De modo análogo, quando Jesus envia os seus discípulos em missão, com a tarefa do anúncio do Evangelho, está sempre ligada a de curar. “O bom Samaritano, acolhendo e curando a pessoa ferida, que jaz à beira da estrada, torna-se silenciosamente uma testemunha do amor de Deus. Esse homem ferido, com necessidade de curas, somos todos nós. Anunciar o Evangelho, já em si, é curar, porque o homem precisa, sobretudo, da verdade e do amor” 2 .

No Livro de Tobias, são referidas duas tarefas emblemáticas de cura do Arcanjo Rafael. Primeiramente, ele cura a comunhão entre homem e mulher, cura o seu amor. Além disso, ele fasta os demônios que, sempre de novo, querem destruir o seu amor. Rafael purifica a atmosfera espiritual entre o homem e a mulher e confere-lhes a capacidade de se receberem mutuamente para sempre. No Novo Testamento, a ordem do matrimônio, estabelecida na criação e ameaçada de muitas formas pelo pecado, é curada pelo fato de que Cristo o acolhe no Seu amor redentor. Jesus faz do matrimônio um sacramento. Nele, o Seu amor, que se tornou patente no mistério da cruz, é a força restauradora que dá ao homem e à mulher a capacidade da reconciliação, purifica a atmosfera e cura as feridas.

Nesse sentido, no sacramento da Penitência ou Confissão, somos sempre guiados de novo ao encontro da força reconciliadora do amor de Cristo. Em segundo lugar, o Livro de Tobias nos fala da cura dos olhos cegos de Tobit. Em sentido espiritual, todos nós sabemos o quanto estamos ameaçados pela cegueira. Corremos um grande perigo, pois, por causa de tudo o que sabemos sobre as coisas materiais e o que somos capazes de fazer com elas, podemos tornar-nos cegos para a luz de Deus. Curar esta cegueira, mediante a mensagem da fé e o testemunho do amor, é o serviço do Arcanjo Rafael. Que os santos arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael nos ajudem a sermos curados, a perseverar na busca pela santidade e a sermos, à semelhança deles, mensageiros de Deus, do seu infinito amor por toda a humanidade.

Santos arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael, rogai por nós!

 

Fonte: Canção Nova

Novena do Sagrado Coração começa dia 30 de maio

DSCN0445A paróquia do Sagrado Coração de Jesus já iniciou os preparativos para a Novena do Padroeiro, que será entre os dias 30 de maio e 07 de junho, na Igreja Matriz, no Jardim São Paulo.

As celebrações serão realizadas às 19h30, nos dias de semana e, às 19hs, nos finais de semana.

O tradicional bolo do Sagrado Coração de Jesus será vendido a partir do dia 08 de junho, logo após a missa festiva que será realizada às 19h30.

No dia 09 terá Procissão e Missa saindo da capela da Igreja Maria Mãe da Igreja, no Jardim Crepúsculo, às 18hs, e seguindo até a Igreja Matriz do Sagrado Coração de Jesus, no Jardim São Paulo, onde haverá a missa.

Teremos uma chuva de graças! Vem!

Maio: Mês dedicado a Maria

virgemm1Todos sabemos, que a nossa Igreja dedica o mês de maio à Nossa Senhora e às devoções marianas. É um tempo especial, de graças, para nós que a temos como nossa advogada e intercessora fiel diante de Deus.

O Catecismo da Igreja Católica, no parágrafo 971, a respeito da devoção à Maria Santíssima afirma:

“Todas as gerações me chamarão bem-aventurada” (Lc 1,48): “A piedade da Igreja para com a Santíssima Virgem é intrínseca ao culto cristão”. A Santíssima Virgem “é legitimamente honrada com um culto especial pela Igreja. Com efeito, desde remotíssimos tempos, a bem-aventurada Virgem é venerada sob o título de ‘Mãe de Deus’, sob cuja proteção os fiéis se refugiam suplicantes em todos os seus perigos e necessidades (…) Este culto (…) embora inteiramente singular, difere essencialmente do culto de adoração que se presta ao Verbo encanado e igualmente ao Pai e ao Espírito Santo, mas o favorece poderosamente”; este culto encontra sua expressão nas festas litúrgicas dedicadas à Mãe de Deus e na oração mariana, tal como o Santo Rosário, “resumo de todo o Evangelho”.

Por isso, também vários Papas na história da Igreja enfatizaram a importância de se rezar os rosário. Veja o que os Papas mais recentes disseram acerca desta oração:

“O Rosário é […] uma oração profundamente cristológica. Na sobriedade das suas partes, o Rosário consolida-se da profundida da Boa Nova, da qual ele é quase um resumo. […] Com o Rosário, o povo cristão anda na Escola de Maria para se deixar guiar, contemplando a beleza do rosto de Cristo e experienciando a profundidade do Seu amor. Ao contemplar os mistérios do Rosário, o crente obtém a graça em plenitude como se recebesse das próprias mãos da Mãe do Redentor”. Beato João Paulo II

“Esta oração tem assumido um papel importante na minha vida espiritual desde a minha infância e juventude. A oração do Rosário tem me acompanhado nos momentos de alegria e de provação. Muitas preocupações entreguei nesta oração e, por meio dela, sempre experienciei fortalecimento e consolação”. Beato João Paulo II

“Se não sabeis como rezar, pedi-Lhe para vos ensinar e pedi à Mãe do Céu para rezar convosco e por vós. A oração do Rosário pode ajudar-vos a aprender a arte de rezar com a simplicidade e profundidade de Maria”. Papa Bento XVI

Fonte: http://cleofas.com.br

Nossa religião gira em torno da Páscoa

formacao_nossa-religiao-gira-em-torno-da-pascoa-artigo-768x576No dia de Páscoa, relembramos os feitos que Cristo empreendeu por amor à humanidade

O centro de tudo está na Eucaristia, que é a atualização dos efeitos da Páscoa em nossa vida. E essa força faz-se eficaz em nosso ser (alma e corpo) por meio da iniciativa de Deus, pela Sua permanência conosco. Para isso, no entanto, o Senhor quer contar com a nossa aceitação, que somente é verdadeira quando expressa uma resposta pela forma de atualização e memória.

Contudo, devemos entender o significado de tais palavras à luz da Sagrada Escritura, para compreendermos a real comunicação do que Jesus fez por nós e o que Ele pede de cada um, para aderir ao Seu plano de amor e salvação.

Primeiramente, o verbo “permanecer”
Encontramos diversos versículos que tratam da permanência de Deus entre nós. O próprio nome do Emanuel significa: Deus conosco.

A identidade bíblica dessa palavra “permanecer” não exemplifica simplesmente o local onde algo ou alguém está. É, além disso, a totalidade do ser numa realidade, onde se deposita ou insere toda a amplitude do que porta aquele que permanece.

“Porque assim diz o Alto e o Excelso, que habita (hb. ןכש , shokhên) na eternidade e cujo nome é santo” (Is 57, 15).

A palavra “habitar” é, portanto, em hebraico, shakan, que significa “residir”, “morar”, “continuar”, “permanecer” e “descansar”. A palavra shakan está relacionada a shakab, que significa “descer”, “deitar”. É por isso que, o verbo shakan, deu origem ao substantivo shekinah que, apesar de não constar na Bíblia dessa forma, sua ideia já se encontra nas Escrituras, utilizada para referir-se à manifestação da glória de Deus, como no caso de Êxodo 24,16;40.35 e Números 9,16-18. Ou seja, onde Deus “habita ou permanece” está Sua presença, glória e esplendor.

Sinais divinos
Jesus atribui a procedência de seus sinais divinos a uma movimentação entre o Pai e Ele, que permanecem um no outro. “Não credes que estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que permanece em mim, é que realiza as suas próprias obras ” (Jo 14,10).

Outro exemplo que Cristo nos revela é que a verdade só será infusa naqueles que aceitarem a permanência do Espírito Santo em si. “O Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece, mas vós o conhecereis, porque permanecerá convosco e estará em vós ” (Jo 14,17).

Se pois, Deus habita entre os homens, então significa que Jesus aconchegou toda a Sua pessoa, com todo Seu poder e majestade, entre os seres humanos.

Não estamos sozinhos, Ele está entre nós e é nossa constante companhia em todos os momentos, mesmo se não O sentimos. E voltar, tendo vencido a morte e conquistado a Ressurreição, insere que essa parte de Seu Ser, está presente, permanece, é continua e reside entre a realidade humana.

Não somos escravos de nenhum tipo de morte, nem física nem eterna. Esse aguilhão das trevas não é o fim de tudo, sua palavra não é a definitiva. Portanto, devemos viver pela esperança de que todas as coisas um dia se farão novas e a alegria brilhará aos nossos olhos.

Para existir, trazendo em nós essas certezas, pede-nos uma adesão à salvação de Jesus, que só poderá ser feita pela atualização e memória.


O que é atualizar e rememorar?

No dia de Páscoa e os que o antecedem, relembramos os feitos que o Cristo empreendeu por amor à humanidade.

O Evangelho de São João, talvez, seja o que significará melhor o entendimento sobre o que vem a ser este “recordar” bíblico. Pelo menos em três passagens, João utiliza o termo recordar. “Os seus discípulos recordaram-se que está escrito: “o zelo pela tua casa consuma-me” (Jo 2,17; cf. Sl 69,10); também, depois da ressurreição, quando seus discípulos se recordaram que Ele os teria comunicado sobre esse acontecimento (cf. Jo 2, 22) e no Domingo de Ramos (Jo 12, 14s; cf. Zc 9, 9).

Assim, João, em seus escritos, quis nos despertar para a realidade de que, os acontecimentos do passado não encerram seu sentido no fato, mas, caminha para além do tempo e espaço em que ocorreram.

O Antigo Testamento não pronuncia um fato histórico definido apenas pelo seu sentido literal, porém encontra significado na pessoa e missão de Jesus. Também nossa história de vida está carregada de acontecimentos que provam o amor de Deus por nós e de chances que há muito tempo Ele vem nos proporcionando de uma vida nova.

O sentido e os efeitos do amor de Deus
Atualizamos nossa fé quando a recordamos. Trazemos para o tempo presente o sentido e os efeitos do amor de Deus nas ocorrências ordinárias do cotidiano. Para Ele não existe o tempo chronos.

A palavra grega “anamnese” foi usada pelo Mestre ao instituir o sacramento da Eucaristia, e quer dizer “fazer de novo”. “Tomou em seguida o pão e depois de ter dado graças, partiu-o e deu-lho, dizendo: ‘Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim’”(Lc 22,19). Na nossa língua, equivale a: “Façam isso novamente por mim”.

O evangelista João nos ensina a esclarecer o sofrimento do Cristo e o nosso próprio à luz da escolha que fizemos por Ele. Por isso, a cada dia chegamos a uma nova iluminação ao que conhecemos da pessoa de Jesus e de Sua permanência em nossa vida através das alegrias e tristezas, de quando o fardo é leve ou de quando a Cruz torna-se pesada demais. Entendemos, talvez no momento, talvez no futuro, o “para que” aquela provação.

O melhor de tudo é que não somente nos vêm a compreensão intelectual, e também, pela contemplação do mistério de amor de Jesus Cristo, enchemo-nos de força para atravessar qualquer desafio, e esse torna-se objeto de ressurreição em nossa vida.

Ao fazer memória das Escrituras Sagradas, das obras e do Calvário de Jesus, elas fazem-se presentes/permanentes nos dias de hoje e em nossa vida. Jesus torna-se vivo e atuante no coração e na alma do crente.

À luz do Espírito Santo, a sabedoria nos chega, mas é preciso estar disposto a atualizar a Palavra e a Cruz do Cristo, entranhando-as em nós, pois, dessa forma, podemos dizer verdadeiramente “Cristo ressuscitou em mim! Aleluia!”

Feliz Páscoa para você!

Deus o abençoe!
Texto extraído do Portal Canção Nova

Primeira meditação da Quaresma 2018: “Aprender a ‘desaprender'”

Como anunciado por ele mesmo após a oração do Angelus e com seu tuíte do dia, o Papa Francisco deixou o Vaticano domingo (18/02) e se dirigiu a Ariccia, sudeste de Roma, aonde por uma semana, permanecerá em retiro espiritual.

O micro-ônibus do Vaticano deixou a Casa Santa Marta às 16h, levando o Papa e seus colaboradores mais próximos para a casa dos padres Paulinos ‘Divino Mestre’, aonde até sábado, (24/02) serão feitos os exercícios espirituais de Quaresma.

A primeira meditação, por obra do sacerdote português José Tolentino de Mendonça, teve como título “Aprendizes do estupor”, sugerido pelo Evangelho de João. No texto, Jesus diz à samaritana apenas três palavras: “Dá-me de beber”. Assim como ela se surpreende com tal pedido, nós também ficamos desconcertados – antecipou o pregador – porque estas são as palavras que Jesus dirige a nós:

“ Dá-me o que tem, abre seu coração, dá-me o que é ”

O cansaço de Jesus

Deste estupor, a meditação passa ao ‘cansaço de Jesus’ e ao nosso. Podemos entender o diálogo de Jesus com a samaritana somente se mantivermos diante dos olhos o dom sem limites que Jesus faz de si na cruz. Em ambas as circunstâncias, o sol diz que é meio-dia, a hora sexta. É a hora central do dia, o meio do tempo, que marca o antes e o depois. Não é simplesmente a indicação cronológica, mas o símbolo da passagem de Jesus em nós. Por isso, explicou o sacerdote, mesmo que o relógio assinale outro horário, muitas vezes é meio-dia em nossas vidas. Cada vez que nascemos é meio-dia.

Ele veio nos procurar

Quando Jesus pede ‘Dá-me de beber’, a sua sede não se materializa na água. É uma sede maior. É sede de alcançar as nossas sedes, de entrar em contato com os nossos desertos, com nossas feridas. Nós devemos nos comportar com confiança. Temos que nos reconhecer como ‘chamados’.

Conhecer o dom de Deus

É o Senhor que toma a iniciativa de vir ao encontro de nós. Ele chega antes ao poço. Quando a samaritana entra em cena, Jesus já está lá, sentado. Quanto maior é o nosso desejo, o de Deus é sempre maior. Citando um trecho do ‘Livro dos abraços’ do escritor uruguaio Eduardo Galiano, Padre Tolentino completou:

“ Deus sabe que nós estamos aqui ”

Nossa oração sobe até Deus

Com novas citações, de Tolstoj a Fernando Pessoa, a meditação sugeriu os participantes a “desaprender”:

“Desaprendamos para aprender aquela graça que tornará possível a vida dentro de nós. Desaprendamos para aprender até que ponto Deus é a nossa raiz, o nosso tempo, a nossa atenção, a nossa contemplação, a nossa companhia, a nossa palavra, o nosso segredo, a nossa escuta, a nossa água e a nossa sede”.

Concluindo, Pe. Tolentino exortou os participantes:

“Digamos no nosso íntimo, com toda a verdade de que somos capazes: ‘Senhor, estou aqui à espera do nada’, ‘Senhor, estou aqui à espera do nada’. Ou seja, estou apenas à espera de ti, à espera do que és, à espera do que me dás’

Fonte: Vatican News

Tríduo à Maria Mãe da Igreja será de 18 a 20 de novembro

Imagem-052-300x199 A Paróquia do Sagrado Coração de Jesus se prepara para mais uma grande festa na comunidade, o Tríduo à Maria Mãe da Igreja marcado para ocorrer entre os dias 18 e 20 de novembro, às 18 horas, na igreja da Paróquia que leva o nome da mãe de Deus, no Jardim Crepúsculo.

No dia 21, às 19h30, será realizada a missa festiva em louvor à Mãe, na Igreja Matriz, no Jardim São Paulo.
Venham todos rezar conosco e receber as bençãos de Maria, Nossa Mãe.

A palavra “Tríduo” na prática devocional católica sugere a ideia de preparação. Às vezes nos preparamos para a festa de um santo com três dias de oração em sua honra, ou pedimos uma graça especial mediante um tríduo de preces de intercessão.