Tríduo de Cura e Libertação na igreja São Cristóvão

O Grupo de Oração Renascer preparou uma programação especial para a comunidade da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus. É o Tríduo de Cura e Libertação marcado para os dias 21, 28 e 04 de setembro, às 20 horas, na igreja São Cristóvão. Venha sentir a presença do Espírito Santo!

AGENDEM-SE:

Dia 21/08 (Terça-Feira) –  Perdão, a chave para a cura

Pregador: Bene (Espírito Santo do Pinhal)

Dia 28/08 (Terça-Feira) – Cura entre gerações

Pregador: Euclides (São José do Rio Pardo)

Dia 04/09 (Terça-Feira) – Cura interior

Pregadora:  Zoraide (São João da Boa Vista)

Venha aprender a rezar rezando

Durante 15 semanas os fiéis da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus terão a oportunidade de participar e aprender com as  ‘Oficinas de Oração e Vida’ que serão realizadas no salão paroquial da igreja Matriz todas as quartas-feiras a partir das 19h30.

As oficinas terão duas horas de duração e não é necessário inscrição para participar.

As Oficinas de Oração e Vida constituem um serviço para a Igreja e têm como objetivo ensinar os fiéis a orar de um modo ordenado e progressivo, através de cursos eminentemente práticos, como em uma oficina, onde se aprende a rezar rezando.

Oficinas de Oração e Vida (TOV) é um movimento eclesial católico, criado por Frei Ignácio Larrañaga em 1984. É um serviço apostólico, único, aplicável em todos os países, que chegou à aprovação da Santa Sé[1]. A criação desse movimento é resultado dos Encontros de Experiência de Deus iniciados no Brasil em 1974.

Pontos Chaves

1.- Baseada na Biblia: Oficinas de Oração e Vida são um método de evangelização que está integralmente baseado na Palavra. O ponto central de cada Sessão é a leitura e meditação da Palavra. Para todos os dias da semana, durante quatro meses, são assinalados aos participantes textos do Antigo e do Novo Testamento para meditá-los e rezá-los em suas casas, com uma pedagogia especial, com um maravilhoso instrumento que se chama Pequena Pedagogia para meditar e viver a Palavra.

2.- Com Cristo como centro: Jesus Cristo é, nas Oficinas, o princípio, o centro e a meta, para pensar, sentir, atuar e amar como Jesus, com a eterna pergunta no coração, “O que faria Jesus no meu lugar?”

3.- Fonte de vocações apostólicas: Toda experiência acaba em testemunho. A Oficina quer ser não somente escola de formação, mas também escola apostólica, de tal maneira que os participantes, uma vez constituídos em discípulos e amigos de Jesus, participem diretamente da missão sacerdotal, profética e régia de Cristo Jesus, e onde quer que se façam presentes, implantem o Reino de Deus com sua presença, conduta, palavra e ação. Desta maneira as Oficinas se convertem em instrumentos de vitalização da Igreja local.

4.- Serviço exclusivamente laical: As Oficinas, convencidas de que somente com uma autonomia completa tem leigos maduros, apostaram desde o princípio nos leigos, entregando-lhes a responsabilidade integral para organizar e governar o Serviço das Oficinas no mundo inteiro. Sendo um serviço eminentemente laical, sempre insistimos firmemente no propósito de estabelecer e manter relações fluidas e afetuosas com os Bispos e Párocos

5.- Caráter totalmente prático e experimental: A Oficina não é uma doutrina, tampouco uma teoria ou teologia. A Oficina funciona à base de orientações de vida e sua colocação em prática. Trata-se de uma pedagogia experimental, tanto durante a sessão como na prática semanal em casa. Orar não consiste numa reflexão intelectual… É uma atividade vital, e as coisas da vida se aprendem vivendo-as, praticando-as. Por este caráter prático falamos de Oficina, porque assim como em qualquer oficina aprende-se trabalhando e trabalha-se aprendendo, em nosso caso, orando aprende-se a orar.

6.- Atividade de oração passo a passo adaptada à pessoa: A oração, além da graça, é arte. E como arte, está submetida a uma aprendizagem metódica e progressiva. Por isso nos esforçamos por colocar na organização interna da Oficina objetivos claros, uma pedagogia progressiva, conteúdos e muita disciplina.

7.- Oficina libertadora e que cura através do conhecimento de Deus e de si mesmo: Através da vivência do Abandono, o participante vai chegando a uma profunda paz. E por meio de mensagens e exercícios, o participante chega, paulatinamente, a libertar-se de tristezas e angústias, curar-se das feridas, superar complexos e medos, recuperando o sentido da vida e a alegria de viver.

8.- Transformação à luz da Palavra: A Oficina toma o participante e, à luz da Palavra, o introduz em um complexo entrelaçamento de reflexão, oração, mensagem evangélica e análise da própria vida. Neste contexto, o participante, quase sem dar-se conta, é levado a uma transformação vital. O bem e o mal nascem no coração. A Oficina aborda o coração e o transforma em baluarte de harmonia, serenidade e paz. A partir do coração convertido esses dons se irradiam à família, e da família à sociedade. Quem transforma o coração, transforma o mundo.

9.- Compromisso com os pobres: Cristo quis identificar-se de maneira preferencial com os necessitados de todos os tempos (Mateus 25, 31-46). Os pobres são o lugar privilegiado onde Deus manifesta-se. As Oficinas querem fazer o que Jesus fez, Seus preferidos serão nossos preferidos, Seus objetivos, nossos objetivos. Também nós queremos descer da montanha da oração e fazer-nos presentes com a palavra e a presença, preferentemente, junto aos últimos, para defender os frágeis, libertar os cativos e anunciar um ano de graça e salvação, como diz Isaías.

10.- Promoção de valores do Evangelho.

Paróquia promove Semana da Família

 

Com o tema: A Família: O Trabalho e a Festa, a paróquia do Sagrado Coração de Jesus promove entre os dias 13 e 17 de agosto a SEMANA DA FAMÍLIA. A Semana que  trará um ciclo de palestras teve sua abertura oficial na sexta-feira, dia 10 de agosto, em missa presidida pelo Bispo Diocesano, Dom David Dias Pimentel.

Confira abaixo os temas das palestras e venha com sua família aprender mais sobre essa sagrada instituição chamada FAMÍLIA!

 

 

Dia 13/08 (Segunda-Feira) – 19h30

  • A Família Gera a Vida (Monsenhor Denizar)

Dia 14/08 (Terça-Feira) – 19h30

  • A Família e a Superação das Dificuldades (Kely)

Dia 15/08 (Quarta-Feira) 19h30

  • A Família Geradora de Uma Sociedade Justa e Fraterna (Fernando e Ditinha)

Dia 16/08 (Quinta-Feira) 19h30

  • O Trabalho na Família (Sandra)

Dia 17/08 (Sexta-Feira) 19h30 – Missa de Encerramento na Paróquia Coração de Maria

  • Presidida por Monsenhor Augusto Alves Ferreira

Capela Peregrina visita Paróquia do Sagrado Coração de Jesus

Era por volta das 18 horas de domingo, dia 05 de agosto, quando a capela original da Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt chegou a São João da Boa Vista.  Ela foi recepcionada pelo pároco da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, Pe. Marcos Antônio Campanhari e fiéis que vieram de diversas cidades da região especialmente para ver de perto a imagem que peregrina por todo o país.

Pessoas de Águas da Prata, Espírito Santo do Pinhal e Santo Antonio do Jardim, além é claro, de São João lotaram a igreja matriz para a celebração que ocorreu às 19 horas.

Antes mesmo do início da missa, Pe. Marcos fez questão de falar aos fiéis sobre a satisfação da Paróquia em ser a escolhida para receber a Capela: “Hoje a mãe se encontra com o coração do filho. É um momento muito importante para nossa comunidade, receber tão valorosa visita. Somos a Paróquia com o maior número de capelas da Mãe Rainha e estamos honrados em receber essa benção. Que todos que por aqui passarem recebam essas bênçãos da Mãe”, disse.

A imagem chegou ao altar trazida por atiradores do Tiro de Guerra e ficou exposta durante toda a celebração. Após cantos e orações pedindo a proteção da Mãe Rainha, já no término da missa, os fiéis se uniram em uma carreata e, com a Capela à frente, visitaram vários bairros da cidade.

Em seguida, a Capela foi levada até o Carmelo Nossa Senhora da Esperança, no bairro do Perpétuo Socorro. No local, as irmãs Carmelitas se uniram em Vigília até tarde de segunda-feira, dia 06, quando a imagem foi novamente levada à igreja Matriz do Sagrado Coração de Jesus para celebração realizada às 15 horas.

Após a celebração a imagem seguiu para São José do Rio Pardo.  Ela permanece na Diocese até o dia 08 de agosto.

Mãe Rainha

O Movimento Apostólico de Schoenstatt faz parte da Obra Internacional de Schoenstatt, fundada pelo Pe. José Kentenich em 18 de outubro de 1914, em Schoenstatt, na Alemanha.

O ato da Fundação é a Aliança de Amor, selada pelo Pe. José Kentenich juntamente com um grupo de seminaristas pallottinos convidando a Mãe de Deus a estabelecer-se numa Capelinha e fazer dela um Santuário de graças, de onde partisse um movimento de renovação religioso e moral para o mundo. As circunstâncias comprovam que Nossa Senhora aceita esse convite e leva a sério a consagração realizada.

Em poucos anos a Mãe de Deus atrai muitas pessoas a este lugar de graças realizando prodígios de transformações nas almas.

A Obra é duramente provada no decorrer das duas guerras mundiais e também por meio das autoridades eclesiásticas. Tais dificuldades aprofundam ainda mais a espiritualidade própria de Schoenstatt e amadurecem o amor e a fidelidade à Igreja de todos os que se empenham por essa Obra.

A essência desta espiritualidade é a Aliança de Amor que os membros selam com a Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt, no Santuário. Essa Aliança é um meio eficaz para a vivência mais consciente da Nova e Eterna Aliança, na qual somos inseridos pelo Batismo. Por meio dela, podemos crescer numa profunda fé na Divina Providência e aproveitar as pequenas coisas do dia-a-dia como caminho de santidade.

Uma Obra de tão grandes dimensões tem seu ponto de unidade na Aliança de Amor com a Mãe Três Vezes Admirável de Schoenstatt, na vinculação ao seu Santuário de graças e na fidelidade aos ensinamentos do Fundador, Pe. José Kentenich.

Schoenstatt significa ” Belo Lugar “, a imagem da Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt, é enviada a partir do Santuário em Schoenstatt para visitar seus filhos, especialmente em seus lares. As famílias recebem a imagem Peregrina e são chamadas a transformar seus lares em um “belo lugar”, num pequeno Santuário, numa Igreja Doméstica.

No Brasil, o Fundador Pe. José Kentenich inaugurou um Santuário em Santa Maria (RS) no dia 11 de abril de 1948. No ano de 1950, o Diácono João Pozzobon recebeu uma imagem da Mãe Três Vezes Admirável para levá-la às famílias e rezar o terço com as mesmas. A imagem foi-lhe dada por Ir. M. Terezinha Gobbo, na época responsável pelo Movimento de Schoenstatt no Brasil. O Sr. João caminhou mais de 140.000 km para levar a imagem Peregrina às famílias em seus lares, bem como hospitais, escolas e presídios, incentivando a devoção do rosário e a freqüência aos sacramentos.

Em 1979 a partir da visita do Sr. João a Roma e a Schoenstatt com a imagem Peregrina o movimento assumiu dimensões mundiais crescendo rapidamente nos últimos anos. O Sr. João dedicou-se a família e a sua missão mariana, graças a ele, várias famílias recebem a Imagem da Mãe Peregrina, portadora das Graças do Santuário de Schoenstatt.

Hoje é Dia do Padre!!!

O Dia do Padre é comemorado em 04 de agosto em homenagem a São João Maria Vianney, santo padroeiro dos sacerdotes. Filho de uma família de camponeses, o vigário nasceu no ano de 1786 num pequeno povoado francês chamado Ars.

No seminário, embora fosse considerado um modelo de piedade, tinha dificuldade em acompanhar os estudos de filosofia e teologia.
Mesmo com a desconfiança de seus superiores, São João Maria Vianney recebeu a ordenação sacerdotal.

Porém, o sacerdote não tinha autorização para confessar, pois era considerado incapaz de guiar os fiéis.  No entanto, logo ele se tornou um dos maiores confessores da Igreja e o Padroeiro dos párocos.

São João Maria Vianney morreu aos 73 anos, em 4 de agosto de 1859. Antes de ser canonizado, pelo Papa Pio XI, a pequena cidade onde morava, Ars, já havia se tornado um centro de peregrinação.

Vejamos quem é o Padre:
É alguém escolhido por Deus, dentro de uma comunidade, no seio de uma família, para ser o continuador da obra salvadora de Jesus. Ele assume a missão de construir a comunidade.

Por graça e vocação, o padre age em nome de Jesus: ele perdoa os pecados, ele reconcilia seus irmãos com Deus e entre si; ele trás a bênção de Deus para todos.

O padre é aquele que celebra a vida de Deus na vida da comunidade. Na Celebração Eucarística , ele trás Jesus para as comunidades. A Eucaristia é a razão primeira do sacerdócio.
O padre alimenta seus fiéis por esse sacramento, pela sua pregação e pelo seu testemunho.
Padre é o modelo por excelência de Jesus Cristo, o bom Pastor. Por esse motivo ele deve ser como o Cristo Pastor. O Padre deve ser o pastor atencioso de seu rebanho.
Deve guiar por bons caminhos, orientando nas dificuldades e prevenindo quando necessário. Deve defender seus irmãos dos lobos modernos que devoram os menos esclarecidas e dos ladrões que atacam, que confundem e dispersam o único rebanho do Senhor.

Padre é o homem de Deus que deve estar no meio do povo: nas Paróquias, nas Pastorais, nos Seminários, nos Hospitais, nas Escolas e Faculdades, nos Meios de Comunicação Social, nas Comunidades Inseridas e entre os mais pobres e marginalizados… É um sinal de que o Reino de Deus existe entre nós.

Parabéns aos nossos padres!