Qual o sentido da Quarta-feira de Cinzas?

formacao_1600-x-1200-qual-o-sentido-da-quarta-feira-de-cinzas_A Quarta-feira de Cinzas  marca o início da Quaresma, tempo de penitência e oração mais intensa. Para os antigos judeus se sentar sobre as cinzas já significava arrependimento dos pecados e volta para Deus. As Cinzas bentas e colocadas sobre as nossas cabeças nos fazem lembrar que vamos morrer; que somos pó e que ao pó da terra voltaremos (cf. Gn 3, 19) para que nosso corpo seja refeito por Deus de maneira gloriosa para não mais perecer…

Qual é o sentido?

A intenção deste sacramental é levar-nos ao arrependimento dos pecados, marcando o início da Quaresma; e fazer-nos lembrar que não podemos nos apegar a esta vida achando que a felicidade plena possa ser construída aqui. É uma ilusão perigosa. A morada definitiva é o céu.

A maioria das pessoas, mesmo os cristãos, passa a vida lutando para “construir o céu na terra”. É um grande engano. Jamais construiremos o céu na terra; jamais a felicidade será perfeita no vale em que o pecado transformou num vale de lágrimas. Devemos, sim, lutar para deixar a vida na terra cada vez melhor, mas sem a ilusão de que ficaremos sempre aqui.

Deus dispôs tudo de modo que nada fosse sem fim aqui nesta vida. Qual seria o desígnio do Senhor nisso? A cada dia de nossa vida temos de renovar uma série de procedimentos: dormir, tomar banho, alimentar-nos, etc… Tudo é precário, nada é duradouro, tudo deve ser repetido todos os dias. A própria manutenção da vida depende do bater interminável do cora­ção e do respirar contínuo dos pulmões. Todo o organismo repete, sem cessar, suas operações para a vida se manter. Tudo é transitório… nada eterno. Toda criança se tornará um dia adulta e, depois, idosa. Toda flor que se abre logo estará murcha; todo dia que nasce logo se esvai… e assim tudo passa, tudo é transi­tório.

Por que será? Qual a razão de nada ser duradouro?

Com­pramos uma camisa nova e, logo, já está surrada; compra-se um carro novo e, logo, ele estará bastante rodado e vencido por novos modelos, e assim por diante.

A razão inexorável dessa precariedade das coisas também está nos planos de Deus. A marca da vida é a renovação. Tudo nasce, cresce, vive, amadurece e morre. A razão profunda dessa realidade tão transitória é a lição cotidiana que o Senhor nos quer dar de que esta vida é apenas uma passagem, um aperfeiçoamento, em busca de uma vida duradoura, eterna, perene.

Em cada flor que murcha e em cada homem que falece, sinto Deus nos dizer: “Não se prendam a esta vida transitória. Preparem-se para aquela que é eterna, quando tudo será duradouro, e nada precisará ser renovado dia a dia.”

E isso mostra-nos também que a vida está em nós, mas não é nossa. Quando vemos uma bela rosa murchar é como se ela estivesse nos dizendo que a beleza está nela, mas não lhe pertence.

Ainda assim, mesmo com essa lição permanente que Deus nos dá, muitos de nós somos levados a viver como aquele homem rico da parábola narrada por Jesus. Ele abarrotou seus celeiros de víveres e disse à sua alma: “Descansa, come, bebe e regala-te” (Lc 12,19b); ao que o Senhor lhe disse: “Insensato! Nesta noite ainda exigirão de ti a tua alma” (Lc 12,20).

A efemeridade das coisas é a maneira mais prática e cons­tante encontrada por Deus para nos dizer, a cada momento, que aquilo que não passa, que não se esvai, que não morre, é aquilo de bom que fazemos para nós mesmos e, principalmente, para os outros. Os talentos multiplicados no dia a dia, a perfei­ção da alma buscada na longa caminhada de uma vida de me­ditação, de oração, de piedade, essas são as coisas que não passam, que o vento do tempo não leva e que, finalmente, nos abrirão as portas da vida eterna e definitiva, quando “Deus será tudo em todos” (cf. 1 Cor 15,28).

A transitoriedade de tudo o que está sob os nossos olhos deve nos convencer de que só viveremos bem esta vida se a vivermos para os outros e para Deus. São João Bosco dizia que “Deus nos fez para os outros”. Só o amor, a caridade, o oposto do egoísmo, pode nos levar a compreender a verdadeira di­mensão da vida e a necessidade da efemeridade terrena.

E se a vida fosse incorruptível?

Se a vida na terra fosse incorruptível, muitos de nós jamais pensarí­amos em Deus e no céu. Acontece que o Todo-poderoso tem para nós algo mais excelente, aquela vida que levou São Paulo a exclamar:

“Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou (Is 64,4), tais são os bens que Deus tem preparado para aqueles que o amam” (1 Cor 2,9).

A corruptibilidade das coisas da vida deve nos convencer de que Deus quer para nós uma vida muito melhor do que esta – uma vida junto d’Ele. E, para tal, o Senhor não quer que nos acostumemos com esta [vida], mas que busquemos a outra com alegria, onde não have­rá mais sol porque o próprio Deus será a luz, nem haverá mais choro nem lágrimas.

Aqueles que não creem na eternidade jamais se confor­marão com a precariedade desta vida terrena, pois sempre so­nharão com a construção do céu nesta terra. Para os que creem a efemeridade tem sentido: a vida “não será tirada, mas transformada”; o “corpo corruptível se revestirá da incorrupti­bilidade” (cf 1Cor 15,54) em Jesus Cristo.

A expectativa do céu

Santa Teresinha não se cansava de exclamar:

“Tenho sede do Céu, dessa mansão bem-aventurada, onde se amará Jesus sem restrições. Mas, para lá chegar é preciso sofrer e chorar; pois bem! Quero sofrer tudo o que aprouver a meu Bem Amado, quero deixar que Ele faça de sua bolinha o que Ele quiser”.

São Paulo lembrou aos filipenses: “Nós somos cidadãos do Céu!. É de lá que também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo. Ele transformará nosso corpo miserável, para que seja conforme o seu corpo glorioso, em virtude do poder que tem de submeter a si toda a criatura” (Fl 3, 20-21).

A esperança do Céu e da Sua glória fazia o Apóstolo dizer:

“Os olhos não viram, nem ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou (Is 64,4), o que Deus tem preparado para aqueles que o amam” (1 Cor 2,9).

E essa esperança lhe dava as forças necessárias para vencer as tribulações: “Tenho para mim que os sofrimentos da vida presente não têm proporção alguma com a glória futura que nos deve ser manifestada” (Rom 8,18).

Este é o sentido das Cinzas.

 

Fonte: Site Canção Nova (Prof. Felipe Aquino)

Sagrado Coração de Jesus em oração

DSCN0632
Neste momento de medo e incertezas por qual passa a população do Espírito Santo, a comunidade do Sagrado Coração de Jesus se une em oração. Aproveitamos a visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima em nossa casa, para pedir a Deus que conceda serenidade, paz, proteção e justiça ao Estado.
Nossa Senhora das Alegrias, a Virgem da Penha, padroeira do Estado que detém outros títulos como Nossa Senhora do Amparo, Nossa Senhora do Consolo e Senhora da Vitória esteja perto de vocês neste momento tão delicado e interceda a Deus para os proteger de todo o mal.
 
“E a paz de Deus, que ultrapassa toda a compreensão, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus” (Fl 4,7). Deus abençoe a todos!

Imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima chega a S. João no dia 06 de fevereiro

images
A paróquia do Sagrado Coração de Jesus se prepara para receber a imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima, que chega em nossa comunidade no dia 06 e permanece até o dia 12 de fevereiro, trazida pelos Arautos do Evangelho (Associação Internacional de Direito Pontifício).

A chegada da imagem está marcada para o dia 06, às 18h30. Ela será recebida pelos paroquianos em frente à oficina do Nora (Rua Benedito Melo, Jd. Magalhães), de onde seguirá, em carreata, para a igreja Matriz (Jardim São Paulo). Na ocasião serão abertas as Santas Missões.

Nos dias que seguem serão realizadas missas e bençãos especiais, conforme programação abaixo.

Confissões também estão programadas de 07 a 11/02, das 9h30 às 12h30 e das 15h30 até o término da missa da noite.

PROGRAMAÇÃO

07/02 – terça-feira 

7h30 – Missa e exposição do Santíssimo Sacramento

19h – Bênção do Santíssimo e 19h30 Missa (entrada de Nossa Senhora)

08/02 – quarta-feira 

7h30 – Missa e exposição do Santíssimo Sacramento

19h – Bênção do Santíssimo e 19h30 Missa (entrada de Nossa Senhora)

09/02 – quinta-feira 

7h30 – Missa e exposição do Santíssimo Sacramento

19h – Bênção do Santíssimo e 19h30 Missa (entrada de Nossa Senhora)

*Após a missa vídeo sobre as aparições de Fátima

10/02 – sexta-feira 

7h30 – Missa e exposição do Santíssimo Sacramento

19h – Bênção do Santíssimo e 19h30 Missa (entrada de Nossa Senhora)

*Imposição do escapulário de N. Sra. Do Carmo

11/02 – sábado

7h30 – Missa e exposição do Santíssimo Sacramento

19h – Bênção do Santíssimo e 19h30 Missa (entrada de Nossa Senhora)

*Após a missa procissão luminosa

 12/02 – domingo

Encerramento das Santas Missões às 19h

Solene Coroação da Imagem peregrina de Nossa Sra. De Fátima

*Consagração das famílias

 

Natal e o Ano Novo no Sagrado Coração de Jesus

presepio-natalA Paróquia do Sagrado Coração de Jesus está com tudo preparado para celebrar uma das épocas mais especiais do calendário litúrgico, o nascimento de Jesus. Para festejar a data, serão realizadas missas às 19hs na igreja Maria Mãe da Igreja ( Jd Crepúsculo) e às 20h30 na Igreja Matriz (Jd São Paulo).

No Dia de Natal (25 de dezembro) a celebração está marcada para as 9hs na Igreja Matriz. A novidade deste ano fica por conta do Coral Infantil que vai emocionar a comunidade com lindas canções, preparadas especialmente para receber o Menino Jesus.

ANO NOVO

O Ano Novo, vai ser celebrado às 19hs na Igreja de São Cristóvão (Vila Brasil) e às 20h30 na Igreja Matriz (Jd São Paulo). No 1º dia do ano a missa será às 9hs na Igreja Matriz (Jd São Paulo).

Padre Marcos Campanhari e José Ricardo esperam por todos vocês para fazermos uma linda festa!

Venham celebrar no Sagrado Coração de Jesus! Melhor lugar não há!

Padre José Ricardo comenta posse de Dom Vilar

15122920_1181963381870467_2021015718822774100_oCom alegria te acolhemos Dom Vilar e vamos juntos o Evangelho anunciar!” Essas palavras expressam bem o que nossa Igreja Particular de São João da Boa Vista viveu neste último domingo, 20 de novembro, Solenidade de Cristo Rei.

Alegria por termos acolhido nosso Pai e Pastor. Paróquias, comunidades, grupos, associações, movimentos e pastorais de toda nossa Diocese se fizeram presentes para essa solene celebração, onde Dom Antonio Emidio Vilar foi apresentado e tomou posse como nosso quinto bispo diocesano.

Corações vibrantes, sorrisos bem expressivos, lágrimas que fizeram vir aos olhos os bons sentimentos embargados pela voz tremula ao sentir o pastor que chegava em meio ao seu rebanho.

Nossa Diocese unida num só coração, professando uma só fé e imersa no mesmo ideal cantou, rezou, vibrou, agradeceu a Deus, naquele CIC lotado, que tornou-se até pequeno diante do gigantesco sentimento de paz e unidade que ali se sentia.

A alegria da acolhida aos poucos foi se expressando também, através de toda a ação litúrgica, Palavra de Deus e Exortações, no compromisso do anúncio do Evangelho.

Sentimo-nos todos, pastores e rebanho, como que no Cenáculo, fazendo a experiência de Pentecostes, onde vindo o Santo Espírito sobre a Igreja reunida, todos se encheram dos dons e carismas necessários para que o anúncio do Evangelho ganhasse novo vigor através de nossos trabalhos e esforços. Que esse ânimo infundido em nossa Diocese com a vinda de Dom Vilar, possa trazer a cada um de nós a certeza de que Deus conosco está.

Ganhamos um Pai e Pastor, que muito demonstrou estar feliz em nosso meio. Abraçou-nos, sorriu-nos, tomou-nos pela mão, olhou-nos nos olhos, abençoou-nos estando assim, perto de todos os que ali estavam ansiosos pela sua chegada. Sentimo-nos amparados e acolhidos. Rezemos pelo nosso Pastor, que o Senhor lhe conserve com saúde e paz.

Dom Bosco, Pai e Mestre da juventude interceda por esse seu filho amado; e Maria – Mãe Auxiliadora que com seu Imaculado Coração – possa ser proteção e guia a Dom Vilar. Assim seja!

Padre Marcos celebra inauguração da Gruta de Nossa Senhora das Montanhas Azuis

e7292609247f73b6361eNo próximo domingo, dia 13, será inaugurada a gruta de Nossa Senhora das Montanhas Azuis, na Serra da Paulista, em São João da Boa Vista. O evento será marcado por uma missa campal a ser celebrada no Sítio Lareira de Pedras, às 16 horas. Em seguida, a procissão seguirá em direção à gruta, onde será fixada a imagem da santa com a bênção do padre Marcos Antônio Campanhari, da Igreja Sagrado Coração de Jesus.

A gruta está localizada no Caminho da Fé, último local de caminhada dos peregrinos, que é possível chegar de carro e de onde dá para ver São João da Boa Vista. Para católicos e devotos, a Serra da Paulista terá como padroeira Nossa Senhora das Montanhas Azuis.

A imagem que ficará na gruta foi esculpida pelo artista plástico da cidade, Silas Marciano. A obra representa as raças que formam o povo brasileiro, tendo um manto vermelho que simboliza o amor aos filhos e fiéis.

Gruta

 Construída com apoio de moradores da Serra e devotos, que se reúnem em todas as semanas para rezar o terço em devoção à santa, a gruta é toda de pedras cortadas e fica sobre uma rocha única de granito natural. O projeto foi elaborado pelo engenheiro Nilson Zenun e a arquiteta Ana Laura Zenun. Uma outra gruta, localizada no Bairro Solário da Mantiqueira, recebe devotos que participam de orações e missas.

Devoção 

O grupo que se reunia para as orações semanais deu esse nome à santa pelo fato de sempre realizarem orações com pedidos de proteção e bênção para São João da Boa Vista, por meio de gestos com olhares para as montanhas. Desta forma, uma das devotas, Benedita Angerami, teve o desejo de criar a oração pedindo proteção à Nossa Senhora das Montanhas Azuis. De acordo com o pároco Marcos, qualquer manifestação da igreja sobre um santo ou a presença de Nossa Senhora nasce da devoção de um povo, como aconteceu com Nossa Senhora Aparecida.

Papa Francisco

Cartas sobre a devoção do grupo e a fé em Nossa Senhora já foram enviadas ao Papa Francisco, que respondeu: “Bênçãos apostólicas sobre a cidade de São João da Boa Vista”.

Evento

A população de São João e região está convidada a participar desse momento importante para a Igreja Católica. É a continuação de uma devoção que surgiu em 2003 e perdura até os dias atuais com o desejo de que a Santa seja reconhecida em todo o mundo. O encontro dos devotos acontece a partir das 15 horas, no Sítio Lareira de Pedras, onde será realizada a missa. Em seguida, a procissão até a gruta.

Oração a Nossa Senhora das Montanhas Azuis

Derrama sobre nós, Nossa Senhora das Montanhas Azuis, a alegria dos campos floridos, a poesia dos cantos das aves, o voar das borboletas de mil cores, o murmúrio suave das águas dos riachos, que descem impetuosas cachoeiras das matas, a paz dos lírios dos campos e a beleza das estrelas cadentes que riscam o azul do céu.

Abençoa-nos com o orvalho das manhãs e com o sereno das noites. Que o seu manto vermelho acenda em cada coração dos homens, a vontade de ser bom e mar uns aos outros, como ensina seu Filho Jesus.

Que na sombra do seu amor, Nossa Senhora das Montanhas Azuis, possamos orar muito, para que o Planeta se torne realmente um Planeta de Deus, onde todos os homens serão felizes e a paz reinará no mundo. Amém.

 

Fonte: Site da Prefeitura de São João

Dom Antônio Emídio Vilar celebra 1ª missa como bispo de São João no dia 20 de novembro

dom-antonio-emidio-vilar-300x201Os padres Marcos Antonio Campanhari e José Ricardo Costa já confirmaram presença na primeira missa de Dom Antônio Emídio Vilar como bispo da Diocese de São João da Boa Vista. A celebração será no dia 20 de novembro, às 10 horas, no ginásio poliesportivo do CIC, em São João da Boa Vista.

Toda a comunidade da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus está convidada a participar desta linda celebração. Nos vemos lá!

Paróquia celebrará Dia de Finados

imagesNo dia 02 de novembro, dia de Finados, os fiéis da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus são convidados a celebrar a vida eterna das pessoas que já faleceram, em missas que serão realizadas no Cemitério São João Batista, em diferentes horários: 6h30, 8hs, 10hs e 17 horas. É importante lembrar que a Paróquia é convidada especial na celebração das 8 horas.

Os fiéis que não puderem comparecer ao Cemitério, terão a opção de participar de missa na igreja Matriz às 9 horas.

Dia de Finados

Celebrar a data é uma antiquíssima tradição da Igreja Católica. A todos os que morreram “no sinal da fé” a Igreja reserva um lugar importante na Liturgia: há uma lembrança diária na Missa, com o Memento (= lembrança) dos mortos, e no Ofício divino. No dia de Finados a Igreja autoriza que cada sacerdote possa celebrar três Missas em sufrágio das almas dos falecidos. Essa foi uma concessão do Papa Bento XV em 1915, quando durante a Primeira Guerra Mundial, julgou oportuno estender a toda Igreja este privilégio de que gozavam a Espanha, Portugal e a América Latina desde o séc. XVIII.

Com a lembrança dos falecidos a Igreja quer lembrar a grande verdade, baseada na Revelação: a existência da Igreja triunfante no Céu; padecente no Purgatório e a militante na terra. O Purgatório é o estado intermediário, mas temporário “onde o espírito humano se purifica e se torna apto ao céu”.

Os primeiros vestígios de uma comemoração coletiva de todos os fiéis defuntos são encontrados em Sevilha (Espanha) no séc. VII, em Fulda (Alemanha) no séc. IX. A comemoração oficial dos falecidos é devida ao abade de Cluny, santo Odilon, em 998, mas, muito antes, em toda parte se celebrava a festa de todos os santos e o dia seguinte era dedicado a memória dos fiéis falecidos. Mas o fato de que milhares de mosteiros beneditinos dependessem de Cluny favoreceu a ampla difusão da comemoração. Depois em Roma, em 1311, foi sancionada oficialmente a memória dos falecidos.

A Tradição da Igreja está repleta de ensinamentos sobre a oração pelos mortos. S. João Crisóstomo (349-407), bispo e doutor da Igreja, já no século IV recomendava orar pelos falecidos: “Levemos-lhe socorro e celebremos a sua memória… Porque duvidar que as nossas oferendas em favor dos mortos lhes leva alguma consolação? Não hesitemos em socorrer os que partiram e em oferecer as nossas orações por eles” (Hom. 1Cor 41,15).

Fonte: Site Canção Nova

Dom Antônio Emídio Vilar é nomeado bispo da Diocese de São João

DSCN9233 Na manhã desta quarta-feira (28), a Diocese de São João da Boa Vista recebeu a feliz notícia da nomeação de seu 5° bispo, Dom Antônio Emídio Vilar.

O anúncio acaba de ser feito por Dom David Dias Pimental, atual bispo da Diocese, juntamente com o colégio de consultores e outros padres, em programa da rádio diocesana, Difusora, de Casa Branca/SP.

O comunicado já estava oficializado pelo santo Papa Francisco, após aceitar a renúncia de Dom Davi, que passa a ser bispo emérito de São João.

Agora, com alegria e esperança, nos preparamos para acolher nosso novo bispo, enquanto aguardamos mais notícias sobre sua posse canônica e transferência à cidade.

Dom Antônio Emídio Avilar nasceu em São Sebastião do Paraíso/MG, tem 59 anos e foi ordenado padre em 1986. Atualmente, responde pela Diocese de Cáceres, no Mato Grosso.

Paróquia prepara sete dias de adoração 24hs ao Santíssimo Sacramento

DSCN9233A Paróquia do Sagrado Coração de Jesus já está com tudo preparado para o tradicional ‘Cerco de Jericó’, que será realizado entre os dias 02 e 09 de outubro, na Igreja Matriz, com 24 horas de adoração ao Santíssimo Sacramento.

Organizada sob os olhares atentos do pároco, Pe. Marcos Antônio Campanhari, e do vigário, Pe. José Ricardo Costa, o Cerco terá uma intenção específica em cada celebração: “Quantas muralhas precisam ser derrubadas em nossa vida? Vamos viver o Cerco de Jericó, suplicando a Deus que caiam as muralhas do ódio, da violência, das doenças, das drogas, do álcool. Enfim, todas as muralhas que só a graça de Deus pode derrubar. Se junte a nós, venha rezar conosco e fazer parte desse tempo de graça e de Bênção em nossa comunidade”, comentou o Pároco.